quarta-feira, 18 de julho de 2012

Nascendo um país de faz de conta

  Eis que um dia eu estava conversando com a Larissa, minha priminha linda, e meu querido irmão Lucas chega com a seguinte proposta para nós dois:
  - Pedrinho, Lari... Vocês querem brincar comigo? Assim, brincar de inventar história?
  - Explica isso pra gente melhor, Luquinha. - pedi para meu pirralho favorito.
  - É assim, Pedrinho, eu começou ou você começa ou a Lari começa uma história e depois de um tempo, ou eu continuo ou a Lari continua e depois ou você continua ou eu ou a Lari... É... Eu acho que é essa a ordem...   Ou talvez eu depois ela depois você... Ou eu depois você e... É mais ou menos isso, entendeu?
  - Ah, Lucas! Eu acho que eu não entendi... Tem muito eu, muito você e muito Pedrinho... Só tenho uma eu, um você e um Pedrinho... Como pode tanto?!
  - Calma, calma... Lari, é assim, nós três vamos inventar uma história, mas cada um de uma vez, por exemplo, se eu começar, eu paro em uma determinada parte e você continua, depois você para e o Lucas continua, entendeu? - expliquei pra Larissa.
  - Ahhhh... Assim sim, Pedrinho, assim eu acho que pode... Eu começo!
  - Não, eu que tive a ideia eu começo!!!
  - Já que vocês dois vão brigar, eu começo, assim ninguém briga! - Interrompi os dois.
  - Mas "ó" Pedrinho, você não sabe voar na imaginação como eu e a Lari... A gente é mais inteligente de voar na imaginação...
  - E quem disse isso, seu Lucas? Não é só porque eu deixo você e a Larissa sempre contarem os seus devaneios, isso não quer dizer que eu não saiba voar na imaginação...
  - Ah é?! Duvidooooooo... - disse Lucas com carinha de debochado.
  - Pois bem, eis que agora eu vou inventar uma história, ou melhor, um país só nosso, e só nós poderemos entrar...
  - É... Pedrinho... Quando a Lena Leninha nascer, ela vai poder entrar também? - perguntou Larissa preocupada.
  - Ah, não se preocupe, lá ela poderá entrar sim... Todos nós!
  - Então tá!!! - respirou aliviada.
  - Nesse nosso país, as coisas são diferentes... - disse eu com cara de mistério.
  - Ah, entendi... Tipo daquela menina, a Alice, né? - perguntou Lucas.
  - Isso, mais ou menos, mas o nosso é diferente, porque terá a nossa cara. De minha parte, eu digo que lá vai ter um rio enorme de chocolate!
  - Huuuuuum... Chocolate!!! O rio pode ser enorme de grande?!?! - perguntou Larissa radiante.
  - Pode sim! E vai ter florzinha de pirulito... As vermelhas, morango... As amarelas, abacaxi... Verdinhas podem ser de limão e de abacate também...
  - Mas abacate, Pedro! Eu NÃO gosto de abacate, Pedro! É muito ruim!!! - exclamou Lucas.
  - Eu gosto... E não se fala nisso!!! Lá vai ter uma árvore de maçã de amor...
  - E eu quero que tenha bastante bichinhos, e eles todos vão conversar com nós...
  - Conosco, Lucas!
  - Pode ser com esse moço também, Pedro! Mas os meus bichinhos vão conversar comigo, eu quero um cachorro que fala, um gato que fala, um jacaré, mas ele vai ser bonzinho, um leão, um elefante e um pavão!
  - Eu posso ter um coelhinho fofo branco, Lucas?
  - Pode sim, Lari... E você pode ter uma corujinha e uma mimosinha!!!
  - Mimosinha, Lucas?
  - É, Lari... Uma vaquinha mimosinha... Quer qual, a preta de café, a marrom de chocolate, a malhada preta  branca de café com leite ou marrom branca de chocolate de leite?
  - Uma marronzinha clara de doce de leite!!!
  - Então tá!!! Pode ser - respondeu Lucas solene.
  - Huuum... Se é assim, o meu bicho vai ser o ornitorrinco que fala!!!
  - Ah não, Pedro, isso não vale!!! Eu quero o ornitorrinco!!!
  - Vale sim, Luquinha!!! Você vai ter um monte de bicho e ele só!!! No nosso país, eu escolho o céu lilás!!!
  - Tá... Só se for no seu dia... No meu vai ser azul, cor de menino!
  - Ihhhh Lucas, tá por fora! - disse Lari - Azul o céu de verdade já é!!!
  - Verdade, então o meu céu é verde!!!
  - O meu vai ser amarelo então, a cor que eu mais gosto!! - completei.
  - Mas sabe o que eu estava pensando, Pedrinho?
  - Ihhh, sei não, Lucas!!!
  - Bobo!!! Isso não é história que estamos contando, só estamos inventando um nosso lugar...
  - Então, fica sendo essa a primeira parte, onde a história vai passar e vai acontecer... Nosso próximo capítulo é inventar as pessoas e como elas vão interagir.
  - Intera o quê, Pedro? Você fala muito difícil, primo.
  - Ah! Desculpe, Lari. Como elas vão conversar e viver...
 - Ah tá... Então estamos inventando o nosso país de faz de conta, assim como a menina Alice... Posso inventar os livros de lá também...
  - Pode sim... Vamos pensando em tudo isso...
  - É Lari e Pedrinho... Os livros podiam contar as histórias pra gente... Ia ser legal!!!
  - Pode ser, Lucas... Pensemos bem... E que as Alices e as fábricas de chocolate povoem o nosso país...
  - É... A Alice poderia ser a rainha... - disse Larissa.
  - E o Willy Wonka, o primeiro-ministro. - completei.
  - Quem?!?! - perguntaram os dois.
  - Deixa que depois explico pra vocês.
  E lá foram eles com um país para criar, imaginação para voar e ideias para compartilhar.

Um comentário:

Marina disse...

Eu gostei muito da relação com Alice e A Fantástica Fábrica de Chocolates! Bem criativo, a agitação das crianças nos envolve durante o conto, que é bem finalizado, com leveza e humor. Parabéns!

Estranha Perseguição

  "As palavras são mais perigosas do que aparentam".   Era o que estava escrito em um pedaço de papel, em tinta vermelha, parec...