segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Simples desejo

Chega a ser covardia
O desprezo que hoje tenho de ti
Devias muito bem ter calculado o dia
Que despertaras essa paixão em mim

Mas também, o que seria eu diante de teu egoísmo
Uma frágil boneca e mesmo assim, serve-se para se brincar
Eu, apenas desejando um pouco do teu altruísmo
E tu brincando com a minha capacidade de amar

Se antes remetia as mais belas palavras a mim
Me diz onde foi que eu errei ou o que mudou
Pois tudo isso são dúvidas que não tem fim

E se não podes mostrar-me o que mudou
Fala o que de tudo isso é tão ruim
Porque no meu coração uma marca ficou
E desta marca sai o desejo que nada do que começara bem, tenha um fim

Um comentário:

Marina disse...

Gostaria de rimar com a mesma naturalidade que vc imprime nos seus poemas!

Estranha Perseguição

  "As palavras são mais perigosas do que aparentam".   Era o que estava escrito em um pedaço de papel, em tinta vermelha, parec...